Pergunta ao Doutor

Número de lesão na corrida atinge 50% dos praticantes

Lesão na corrida

Atinge 50% dos praticantes

A pratica da corrida ganhou um espaço enorme entre os praticantes de atividade física nos últimos anos, e a maioria das pessoas almeja o ganho de desempenho e rendimento em um espaço de tempo cada vez menor. Porém, o número de lesões, resultantes de uma preparação inadequada também é grande.

Estima-se que cerca de 50% dos praticantes de corrida sofram lesões a cada ano, gerando altos custos de reabilitação, além de ter que ficar afastados da prática esportiva. Todas essas estatísticas têm demandado na literatura estudos de identificação dos fatores de risco para tentar gerarmos estratégias para prevenção de lesões.

O que tem sido observado atualmente:

Um dos principais fatores de risco para lesões ortopédicas na corrida, é simplesmente o indivíduo possuir histórico de lesões prévias (van der Worp et al., 2015).

Outro fator está relacionado ao alto volume de treinamento. Pessoas com volumes acima de 45 km/semana possuem maior risco de lesão (Hespanhol et al., 2013).

Todavia, para maratonistas esse volume é bem usual e outros fatores devem ser identificados, como os fatores biomecânicos. Apesar da literatura acerca da área ser escassa, já temos alguma evidência de alguns fatores que aumentam o risco como:

  • Adução excessiva dos quadris (Dor anterior e lateral nos joelhos);
  • Absorção insuficiente das cargas mecânicas (Dor no tendão patelar);
  • Aumento do impacto e da taxa de aplicação do impacto para o corpo, chamado de “loading rate” (Canelite e Fraturas por Estresse).

É importante sempre ressaltar que as lesões ocorrem devido a vários fatores (lesões ortopédicas são multifatoriais), o que demonstra a importância de uma avaliação biomecânica detalhada para identificar outros possíveis fatores associados ao aparecimento de lesões.

Com uma avaliação detalhada feita por especialistas, é possível a prescrição de programas de exercícios personalizados para cada corredor, otimizando o treinamento.

Texto:

Gustavo Leporace, Mestre em Engenharia Biomédica. Diretor Técnico da Biocinética.

Clínica Biocinética. Siga no Instagram @biocineticabc

Rua Visconde de Pirajá, 595, sala 1201. Ipanema, Rio de Janeiro. (21) 2523-0009

atendimento@biocinetica.com.br

Clique aqui e adquira inteiramente grátis uma preparação para corrida. 

@caduvigilia
@caduvigilia

Hespanhol Junior LC, Pena Costa LO, Lopes AD. Previous injuries and some training characteristics predict running-related injuries in recreational runners: a prospective cohort study. J Physiother. 2013 Dec;59(4):263-9. van der Worp MP, ten Haaf DS, van Cingel R, de Wijer A, Nijhuis-van der Sanden MW, Staal JB. Injuries in runners; a systematic review on risk factors and sex differences. PLoS One. 2015, 23;10(2):e0114937 van der Worp H, Vrielink JW, Bredeweg SW. Do runners who suffer injuries have higher vertical ground reaction forces than those who remain injury-free? A systematic review and meta-analysis. Br J Sports Med. 2016 Apr;50(8):450-7.

Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional

Email: marcellopaiva@30tododia.com.br

Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Email: marcellopaiva@30tododia.com.br