Pitacos

Entrevista Rosângela Santos

Rosângela Santos

Entrevista uma das principais velocistas do Brasil

Aos 17 anos ela já era finalista olímpica no revezamento 4x100m. De lá pra cá a carreira da velocista Rosângela Santos só tem crescido e hoje é uma das principais corredoras da modalidades do mundo. Campeã nos Jogos Panamericanos de Guadalajara em 2011, a atleta hoje com 25 anos vem para mais uma edição olímpica com muitas expectativas nos resultados individuais e por equipe.
Em entrevista exclusiva ao nosso colunista @wagner_romao, Rosângela fala um pouco sobre o início da carreira, jogos olímpicos e muito mais.
​​

1) Você está entre as principais velocistas do mundo nos 100/200m rasos. Você sempre foi rápida desde criança ou a velocidade veio com muito treino?

1- Quando eu era pequena nunca notei ser a mais rápida​. Entrei no atletismo por um acaso. Meu primo sempre quis ser corredor mas eu não pensava muito afinal tinha somente 9 anos​. Meu professor de educação física no colégio falou para minha tia para eu tentar fazer algum esporte porque eu tinha um temperamento muito forte (ainda tenho) mas que eu ia aprender a controlar mais​. Foi aí que fomos até o complexo esportivo Miécimo da Silva para fazer a inscrição​. Meu primo foi pro atletismo e eu decidi que iri​a aprender a nadar. Mas como não tinha vaga​,​ fui para o basquete até abrir vaga​. No dia da aula​, depois que a minha acabou, fiquei esperando meu primo com minha tia e foi quando a Edileuza​,​ técnica de atletismo, perguntou​ se eu queria fazer um teste porque eu tinha as pernas fortes e poderia ser rápida. Fiz o teste , gostei e fiquei…ela sempre dizia que eu era rápida mas é claro eu tinha que continuar treinando para ser cada vez mais rápida.​

2) Hoje em dia vemos vários perfis de atleta no momento que antecede a largada. Há quem dê um sorriso e tente descontrair a tensão e há aqueles que mantém um semblante sério e fechado evitando distrações. Quem é a Rosângela nesses 2 ou 3 minutos antes da largada? O que está passando na cabeça do atleta nesse momento?
2- A cada competição tenho um pensamento diferente mas sempre procuro manter o foco para a saída do bloco que é o momento mais importante e que exige um nível de concentração muito grande, mas estou sempre sorrindo ou dou uma piscada para a câmera.
3) Falando no revezamento 4x100m feminino, muitos depositam em vocês a expectativa de medalha no atletismo. Como está o clima no time para esses Jogos Olímpicos?
3- O clima no time é tranquilo pelo menos por enquanto (rsrsr) ainda não sabemos quais serão​ as competidoras porque ainda não tem ninguém garantido no time e muita coisa pode acontecer. Mas o COB e a CBAT estão realizando campings de treinamentos com 12 da​s 6 possíveis atletas que ​estarão na equipe, qu fecha no ​T​roféu ​B​rasil​,​ em julho.
4) Há muitos anos, o revezamento masculino fez história nos 4x100m, incluindo uma medalha olímpica. Hoje, nessa prova, quem dá as cartas são as mulheres. É possível explicar essa troca?
4 – Não acredito que houve troca, o revezamento masculino passou por um processo de renovação maior do que o time feminino e como todo time que tem renovação é normal que tenha uma caída no resultado, mas mesmo assim nos dois últimos mundiais de revezamento eles ficaram em quarto lugar, eles ja estão voltando ao seu lugar  e a evolução nos resultados individuais no feminino fez com nosso resultado melhorasse muito. Mas ainda estamos batendo na trave, e criou muito expectativa após a queda do bastão em 2013. Acho que é por isso que agora olham mais pra gente​. Acredito que a evolução nos resultados individuais no masculino vai acontecer esse ano e os dois revezamentos vão estar brigando pela vaga na final olímpica e pela medalha .

5) Você foi finalista de uma olimpíada com apenas 17 anos. Você tinha ideia que chegaria tão rápido ao alto rendimento? Você planejou isso ou as coisas foram acontecendo mais rápido do que você pensava?

5- Não fazia ideia que chegaria as competições adultas ainda estando na categoria menor, mas tudo começou a acontecer em 2007​. Fui vice-​campeã mundial menor e no mesmo ano fui a segunda colocada no ​trof​é​u ​B​rasil​ (competição adulta). Nessa prova ainda me classifiquei para os J​ogos Panamericanos no R​io em 2007​ e fui para o Mundial de Atletismo adulto em Osaka. Foi tudo muito rápido e demorou um pouco para cair a ficha​. Não foi f​á​cil lidar com a pressão de ser a atleta mais jovem fechando uma final olimpíada na qual o time feminino nunca tinha ido para uma final​. E ainda terminamos em quarto​! Mas tudo foi obra de muito treino.
 
6) Apesar dos olhos estarem muito voltados para os revezamentos, qual é a meta da Rosângela nas provas individuais para os Jogos Olímpicos do Rio? Pode contar?
6- Inicialmente pretendo fazer os 100m e os 200m​. Ainda não tenho nada concreto porque procuro esperar as coisas acontecerem​. Hoje a minha meta é chegar na final olímpica nas duas provas​. Sei que vai ser muito difícil​. Primeiro porque já fiquei de fora da final do mundial no ano passado​, ou seja, ter​ei​ que ter uma evolução muito grande no meu resultado pessoal​ e segundo porque estou em ​mais que vigésima no ranking mundial​. Mas tenho confiança no trabalho que estou fazendo e sei que vou poder fazer uma grande olimpíada .
7) Você nasceu em Washington, nos EUA e é super brasileira. Como foi isso? Você chegou a morar nos EUA ou foi criada em terras brasileiras?
7- Meus pais viviam lá quando eu nasci mas logo no meu primeiro ano fiquei muito doente por conta do clima e minha mãe decidiu que eu ia ficar no Brasil até que eu melhorasse, inicialmente ia ficar somente um ano mais ai fui ficando comecei a estudar, a treinar e cá estou. 

8) Ainda sobre o revezamento, qual é a sua ordem entre as quatro atletas, largada, reta oposta, curva 2 ou reta final? Como é montada essa estratégia do time?

8- No revezamento faço a reta final, A estratégia do time é montada  primeiro com as ​quatro​ mais rápida​s​ da equipe e faz a largada quem tem uma boa saída de bloco e que saiba fazer bem a curva​. A reta oposta geralmente é feita por corredores de 200m por eles terem um final de prova mais forte do quem corre apenas o 100m​. A curva 2​ é​ feita por quem também sabe fazer uma boa curva mas que não sai tanto de bloco e que tenha muito sangre frio porque é ali que o bicho pega. E a reta final acho que é mais fácil mas​ você tem que ter uma
chegada forte e ser paciente. Mas também é a mais cruel uma vez que o revezamento que​ está​ na frente não pode deixar ninguém passar e o que vem de trás tem que tentar passar quem esta na sua frente.​ Não é fácil! rsrsrs
 
9) Falando um pouco sobre as expectativas para os Jogos no tocante a organização do evento, você com sua experiência de outros Jogos, acha que o Brasil entrega um evento no mesmo nível de Pequim e Londres?
9- Bom falando a nível de organização vou ser muito sincera, acho que somente Tóquio 2020 pode bater Londres. Infelizmente nosso país deixa as coisas para o ​último minuto e isso não é bom​. Faltam poucos dias e ainda tem muit​a​ coisa pra ser finalizada, isso porque a cidade 

foi escolhida 7 anos atrás​. Isso decepciona um pouco mas acredito que vão conseguir se organizar e fazer um grande evento​. Só me preocupo um pouco com o comportamento do público assistindo​. Infelizmente algumas pessoas não tem educação para assistir certos esportes. Esporte olímpico não tem vaia ou xinga​mento. Mas como disse tenho fé de que vamos fazer um grande evento.
 

10) Deixando uma recado pra galera do @30tododia, qual seria o principal ensinamento que um atleta de alto rendimento pode passar?

 
10- O meu ensinamento é para qualquer coisa que você se propuser a fazer faça primeiro com paixão (tipo namoro de adolescente)​. Segundo​, ​Aos 17 anos ela já era finalista olímpica no revezamento 4x100m. De lá pra cá a carreira da velocista Rosângela Santos só tem crescido e hoje é uma das principais corredoras da modalidades do mundo. Campeã nos Jogos Panamericanos de Guadalajara em 2011, a atleta hoje com 25 anos vem para mais uma edição olímpica com muitas expectativas nos resultados individuais e por equipe. Em entrevista exclusiva ao nosso colunista @wagner_romao, Rosângela fala um pouco sobre o início da carreira, jogos olímpicos e muito mais.
​​Rosângela Santos
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional
Consultas: 21 2529-6473
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Consultas: 21 2529-6473 Email: marcellopaiva@30tododia.com.br