Pergunte ao Professor

Correr ou pedalar o que queima mais?

De maneira geral, os exercícios aeróbios são aqueles que abrangem grandes grupos musculares desenvolvidos por tempo superiores a 2 minutos, desta forma, temos como exemplos: as corridas, caminhadas, spinning, transport, natação, etc.

O objetivo destes exercícios é aumentar a transferência de energia para o trabalho muscular utilizando como mediador deste processo o consumo do oxigênio.

O aumento do consumo de oxigênio durante a atividade possibilita “extrair” dos macronutrientes, gorduras, carboidratos e proteínas a energia necessária para a atividade física.

Quanto maior o consumo de oxigênio, maior será a quantidade de trabalho produzida, aumentando assim, o gasto calórico da atividade.

O gasto energético durante o exercício, preocupação maior daqueles que buscam o emagrecimento, é determinado pela quantidade de “trabalho” produzida na atividade. Esse trabalho tem como principais componentes determinantes, a intensidade (carga, velocidade, ritmo, resistência, inclinação) e o volume (distância, séries, repetições).

Porém, esses dois componentes são inversamente proporcionais, sendo assim, o aumento de um, levará consequentemente a diminuição do outro e vice-versa.

Podemos gastar em 20 minutos de corrida, a mesma quantidade de calorias que gastaríamos em 40 minutos de caminhada, como isso e possível?

Através do ajuste na intensidade, ou seja, na velocidade em que é desenvolvido o exercício.

A atividade que gasta mais calorias é aquela que permita ao praticante, manter a maior pelo maior tempo possível, uma intensidade alta do exercício. Sendo assim, a manipulação das variáveis volume e intensidade é mais importante do que o meio ou exercício em si.

“Atividades mais intensas, apesar de serem mantidas por tempo mais curtos, têm sido mostradas como mais eficientes nos programas para emagrecimento, não só pela quantidade de trabalho produzida no momento do exercício, mas pela aumento do consumo de oxigênio (EPOC) após o término da atividade.

Esse fenômeno (EPOC) mantém o metabolismo mais acelerado do que a condição de repouso, o qual será mantido pelo catabolismo dos lipídeos.

Sendo assim, as atividades aeróbias são importantes no processo de emagrecimento, pois geram alto consumo de oxigênio e gasto calórico, além de inúmeros benefícios ao sistema cardiorrespiratório”.

Mestre em Treinamento de Força Professor Fabricio Miranda.

Luiz Claudio Fortunato Jr.
CREF/RJ 004376
Schwinn Cycling Master Instructor
www.schwinncycling.com.br

“Vamos lá! Se formos pensar apenas no coração, dá no mesmo! Correr a 70-80%♡ tem o mesmo custo metabólico que pedalar a 70-80%♡. Acontece que inúmeros estudos nos mostram que as pessoas tendem a render mais fazendo o que gostam! Basicamente falando, pedalar não gera impactos durante os treinos, o que ocorre na corrida. Se não houver qualquer quadro de algia articular ou um acometimento nas articulações, busque treinar o que você mais gosta que os resultados surgirão”.

Especialista em Corrida Marcio “a lenda” Puga

“Muitos perguntam sobre o que é mais difícil, o que queima mais caloria, o que dá mais condicionamento físico, se a corrida ou a pedalada.

Minha opinião como corredor e não pedalador, é que vai sempre depender da intensidade que a pessoa vai se dispor a se esforçar, gastar energia e tempo de atividade.

Ambos são excelentes exercícios aeróbios, cada um com suas particularidades e que feitos com esforço vão queimar bastante.

Um grande exemplo atual sobre essa dupla, são os treinos na subida da Mesa do Imperador, realizados por ciclistas e corredores. Vemos ciclistas com excelente preparo no pedal, ótima técnica e que desenvolvem ali nos 6.5km de subida uma dinâmica espetacular. E vemos uma grande quantidade de ciclistas que ali sobem com extrema dificuldade, porque é realmente difícil ou porque não querem ou não sabem sofrer.

Ao mesmo tempo, vemos corredores, em nº bem menor, que não tem outra opção ali, a não ser sofrer…e muito.

A maioria dos que conheço que migraram ou fazem as duas atividades, dizem que o correr é mais difícil.

Sendo assim, tudo vai depender do grau de esforço realizado. Pedalar rápido e forte pode ser mais compensatório que correr lento e pouco. E, vice versa”.

Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Email: marcellopaiva@30tododia.com.br

1 comentário

  1. O treinamento aeróbico leva adaptações em varias capacidades funcionais como o transporte e utilização de oxigênio para adaptações metabolicas no músculo esquelético. Para um aprimoramento aerobico e necessário uma progressão na intensidade e volume de treinamento. Ou seja para um programa de emagrecimento no meu ponto de vista podemos utilizar um aumento na intensidade trabalhando em torno de 70% ou do volume de treino. Em relação a Epoc;o consumo de oxigênio será maior em treinos mais intensos porém treinos com intensidade moderada e maior volume tem maior oxidação de gordura; principal substrato energético da EPOC. Em relação se ao exercício; tanto pedalar como correr geram aprimoramento na capacidade aeróbica. A corrida tem um maior deslocamento corporal sendo um pouco mais dificil; porém o ciclismo gera uma maior fadiga periferica dificultando muitas vezes o aumento na intensidade do exercicio. Portanto devemos escolher realmente aonde melhor nos adaptamos. Patricia Cavaliere . Especialista em bike indoor e running class. Pós graduada em ciencias da performance humana. UFRJ

    1. Obrigado Patrícia pela participação e pelo ótimo comentário.
      Abraço