Dicas, Dicas

Ironman 70.3 Foz do Iguaçu Binacional – Brazil Paraguay

Ironman 70.3

Dia 01

Era uma manhã de quinta-feira, dia 26/08 e nosso vôo deixava o Rio de Janeiro em direção à Foz do Iguaçu. Foram meses de treinamento duro e muito foco que estavam prestes a serem colocados à prova! Comigo, quatro amigos atletas dividiam as mesmas tensões. Edson e Thiago já haviam cruzado a linha de chegada dessa prova no ano anterior e sabiam o que nos esperava, João e Rodrigo, assim como eu, estavam com uma interrogação enorme na cabeça.

Chegamos em Foz na tarde de quinta-feira, já no hotel começamos a arrumar as bikes, montar tudo o que havíamos desmontado para transportar as máquinas no avião e depois de tudo pronto calçamos os tênis e saímos para um trote de 5km.

O hotel em que estávamos hospedados ficava à 10km do local de retirada dos kits da prova então, no dia seguinte pela manhã, aproveitamos para dar um giro de bike pra ver se estava tudo em ordem com as magrelas, retiramos os kits e voltamos pedalando para o hotel.

Teríamos que retornar mais tarde para fazer o bike check-in, que estava marcado para as 15hs. Depois do almoço pegamos o transfer no hotel que nos deixou no mesmo local de retirada dos kits e de lá entramos em um ônibus da organização que nos levara até o lado paraguaio da usina. Nesse momento, de dentro do ônibus começamos a ter uma leve noção do percurso do ciclismo, subidas sem fim, descidas rápidas, inúmeras retomadas e muito vento. Resumo da ópera, seria um pedal super-travado durante a prova.

De volta ao hotel com tudo no esquema era colocar os cambitos pro alto e descansar até o dia seguinte! Aproveitei a noite de sexta-feira para colocar em prática as técnicas de concentração e meditação ensinadas no Método DeRose e separei 1 horinha para trabalhar toda a prova na minha cabeça.

O dia D

Sábado, a largada estava marcada para as 9h30 da manhã, coisa que não se costuma ver nas provas de triathlon, então pudemos dormir até um pouquinho mais tarde. Tomamos café os 5 juntos, cada um respeitando o seu planejamento nutricional e depois pegamos o transfer para o local de largada!

Antes da largada tivemos acesso à bike e às sacolas do ciclismo e da corrida para fazer os últimos ajustes da suplementação que minha nutri Julia Engel planejou para essa prova!

A largada

O início da prova aconteceu na parte Paraguaia da Usina. Por volta das 9h20, a organização solicitou que entrássemos no lago, pois a largada seria de dentro da água! Momento tenso onde tínhamos que ficar boiando aguardando o som da buzina. Éramos muitos em um pequeno espaço, boiando, alguns não conseguiam ficar na superfície sem se apoiar ou encostar nos atletas ao redor, o que acabava por gerar algumas discussões mas que foram logo atabafadas pelo som que marcava o início da prova.

A natação

O início das provas onde a largada é feita de dentro da água é muito tenso, imagine inúmeras pessoas boiando na vertical em um pequeno espaço e de repente todos precisam ficar na posição do nado. Agora imagine isso somado à braçadas e pernadas e cada atleta brigando para encaixar seu ritmo e lutando pelo seu espaço. Tenso, não?

Depois de alguns minutos os espaços começaram a surgir, cada um encaixando seu ritmo e tudo ficou um pouco mais tranquilo. Agora eu podia me concentrar na minha prova, me preocupei em não elevar muito a frequência cardíaca na água, fui alongando a braçada e navegando bem pra não sair muito do trajeto demarcado pelas bóias.

Consegui fazer uma natação justa, saindo da água com 30’43” e nadando os 1.900m com uma boa navegação.

ironman 70.3
@guilhermeguidovpalma

 

Transição 1 + Ciclismo

Saí da água, posicionei os óculos de natação na testa, abri o zíper da roupa de borracha e a desci até a cintura. Haviam staffs para ajudar na retirada da roupa, então me deitei no chão, minha roupa foi retirada e segui para a área de transição. Peguei minha sacola de ciclismo, vesti o capacete e o cinto porta-número, guardei meu kit de troca de pneu no bolso do macaquinho, enfiei a roupa de borracha na sacola e voei em direção ao cavalete onde minha bike estava posicionada. Fiz uma transição razoavelmente rápida com 2’40”.

Aproximadamente 33 minutos de prova e eu já estava em cima da bike, hora de fazer força!

O percurso era muito duro e pra completar, o sol e a ventania davam suas caras mas ainda assim consegui encaixar um bom ritmo no início.

Nesse momento tinha duas preocupações. A primeira era manter uma cadência alta e fazer menos força pra poupar as pernas pra corrida e a segunda era conseguir me hidratar e me alimentar da forma como planejei e nesse quesito tudo correu muito bem. Utilizei uma caramanhola com carboidrato, sachês de gel, cápsulas de sal e o aero drink com água.

Durante as subidas muitos atletas faziam força em pé e eu ficava me coçando para fazer o mesmo, mas sabia que aquilo ia me custar caro mais pro final da prova, então jogava para o pratinho, relação leve, continuava clipado para ficar o mais aero possível e ia girando, girando!

As subidas queimavam as pernas, as retomadas exigiam atenção redobrada, o vento não permitia que o pedal se desenvolvesse e o cansaço veio forte, mas ainda assim tudo isso ficava em segundo plano. A paisagem de uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno era marcante e incrivelmente linda!

Fiz um pedal dentro do que eu treinei mas um pequeno problema surgiu no final do ciclismo. Os 90km viraram 97km! Isso mesmo…eu estava doido pra entregar a bike e sair pra correr e passava o km 91, 92, 93…e nada de chegar a T2, o desespero foi batendo. “Será que errei o caminho?”. As subidas continuavam e nem sinal da T2.

Passava do km 96 e só aí consegui enxergar a tenda da T2 se aproximando. Consegui fechar a segunda parte da prova em 2h48’24” com 34.2km/h de média.

Até esse momento tudo em ordem, a suplementação que a nutri Julia Engel passou estava entrando no tempo certinho e eu estava muito confiante de que seria a minha prova assim que colocasse os pés no chão pra corrida!

Transição 2 + Corrida

Entreguei a bike, fiz uma transição rápida com 1’40” e já saí pra correr!

O ritmo inicial de 4’00”/km estava entrando com facilidade mas resolvi segurar o ritmo para não acontecer o que vinha acontecendo mas minhas últimas provas de 70.3, as câimbras!

Encaixei o ritmo para 4’30″/km, vinha bem, mas logo no primeiro km as duas pernas travaram e me vi obrigado a parar para alongar! Agachei sentando sobre os calcanhares como se rezasse pedindo para que as coisas melhorassem, conversei com as minhas pernas, as massageei e continuei!

Mais uns alguns metros e novamente as câimbras me impediram de continuar correndo. Achei que não ia encaixar a corrida naquele dia. Pela terceira vez minha melhor modalidade estava comprometida.

Continuei devagar! Durante 20 minutos minha corrida não parecia minha, os 4 primeiros km em um ritmo muito abaixo do que eu estava treinado para correr mas eu persisti.

A cada posto de hidratação era um copo no bolso, um para molhar a cabeça e outro para me hidratar, pois o calor seguia firme…

Aos poucos as coisas foram melhorando, depois do km 6 a corrida entrou e encaixou bonito! Agora sim, aquela era a minha corrida. Em alguns trechos planos e declive o pace variava entre 3’45” e 4’10”/km e nos aclives não subia muito dos 5’00”/km. Eu continuava sentindo dor nas pernas mas elas não estavam mais travadas como antes, a dor era suportável durante a corrida.Durante as minhas paradas no início da corrida sofri muitas ultrapassagens e precisava tirar essa diferença, então fui à caça. Minha maior motivação era cada atleta que surgia na minha frente e segui engolindo um a um!

Consegui recuperar todas essas posições que perdi e ainda ultrapassar mais 26 atletas fechando a última perna da prova com 1h33’32”.

 

ironman 70.3
@guilhermeguidovpalma

Parciais:

1.900m natação – 30’43”

T1 – 2’40”

*97km pedal – 2h48’24” – 34.2km/h

T2 – 1’40”

21km corrida – 1h33’32” – 4’26″/km

Total: 4h56′   33º geral   5º categoria

Muito feliz com meu desempenho, apesar do péssimo início de corrida e de ter ficado muito perto de pegar uma vaga para o mundial do ano que vem!

Agora é continuar treinando duro para o Ironman 70.3 do Rio de Janeiro, dia 04/10. Até lá!

Texto/Atleta Guilherme Guido Siga no Instagram @guilhermeguidovpalma

ironman 70.3
@guilhermeguidovpalma
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional
Consultas: 21 2529-6473
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Consultas: 21 2529-6473 Email: marcellopaiva@30tododia.com.br