Dicas, Pergunta ao Doutor

Dor no quadril, o que pode ser? Entenda tudo sobre Impacto Fêmur Acetabular.

DOR NO QUADRIL

Entenda o que pode ser e o que fazer.

Convidamos o especialista Dr. Gustavo Asmar para esclarecer esse assunto.
A articulação do quadril é uma articulação do tipo esférica formada pela cabeça do fêmur e pela cavidade acetabular.
Muitas vezes temos uma alteração na relação anatômica e biomecânica destas estruturas, acarretando na doença chamada impacto fêmur acetabular.
Podemos dividir em 3 tipos:
  1. Cam – a alteração ocorre no colo do fémur.
  2. Pincer – a alteração ocorre na cúpula acetabular.
  3. Mista – alteração tanto no colo do fêmur quanto no acetábulo (tipo mais comum).
Esta alteração demora anos para tornar-se sintomática.
Inicialmente o paciente reclama de uma dor inespecífica na virilha, que piora com a atividade física e não conseguem determinar exatamente o local. Este sinal clínico no exame físico é denominado sinal do C.
Se não for feito nenhum tratamento, acaba evoluindo com uma restrição do arco de movimento, principalmente em rotação interna do quadril. A ocorrência de pubalgia (dor no púbis) devido à alteração biomecânica do quadril também é bastante comum.
Uma manobra usada no exame físico é o teste do impacto, onde fazemos flexão e rotação interna do quadril e quanto maior a flexão maior a dor do paciente.
Apesar de ser uma alteração anatômica, quanto maior a atividade física maior será a evolução do impacto, principalmente em atividades com muita flexão e rotação interna do quadril (como jiu jitsu, e hockey) e em atividades com alto impacto e mudança brusca arco de movimento (futebol, corrida e tênis por exemplo).
Além da piora progressiva do quadro álgico, e da restrição dos movimentos do quadril, se nada for feito para tratar o impacto fêmur acetabular o desfecho é a destruição da cartilagem articular (artrose).

Tratamento:

O tratamento depende do paciente. Em atletas tendemos indicar o tratamento cirúrgico via artroscópica precocemente, buscando uma biomecânica do quadril mais próxima do normal para não alterar sua performance e além disso, postergar a evolução da artrose não precisando interromper precocemente sua carreira.
Já na população geral informamos sobre os prós e contras da cirurgia e tendemos a iniciar com um tratamento fisioterápico e acompanhamento semestral. Caso o quadro piore indicamos a artroscopia, se não postergamos o procedimento.
A artroscopia consiste em fazer uma cirurgia por vídeo do quadril procurando regularizar o formato do colo femoral e se necessário fazer a sutura ou desbridamento labral (estrutura cartilaginosa do quadril que muitas vezes é lesionada nesta doença).
Nos casos com artrose já avançada com redução importante do espaço articular a artroscopia do quadril não tem mais indicação, sendo a única opção terapêutica a prótese de quadril.
Procure o quanto antes um especialista para que a sua pequena dor não chegue em estágios avançados.
Texto:
Dr. Gustavo Asmar, Siga no Instagram @a_gconsultoria
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional
Consultas: 21 2529-6473
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Consultas: 21 2529-6473 Email: marcellopaiva@30tododia.com.br