Dicas, Pitacos

XTerra Ilha Comprida

 

Xterra Ilha Comprida

Overdose de esporte

Pense no paraíso dos viciados em endorfina, na Disney dos amantes de esporte. Foi exatamente assim que me senti pisando pela primeira vez na Arena do XTerra. Nesse último fim de semana rolou a etapa de Ilha Comprida (SP) e eu (@caseicomatelta) estive lá pra fazer os 23,7km da Half Night Run.

Início das competições

Logo quando cheguei, no sábado pela manhã, o Triathlon já estava rolando a todo vapor na Ilha. Mesmo com o forte calor, os competidores mandaram muito! Primeiro se aventuraram no mar por 1,5km, depois pegaram a bike e pedalaram 32,2km e finalizaram correndo 8,5km.

Foi o tempo de eu chegar à Arena montada ali na Praia de Ilha Comprida, admirar, sacar a câmera do bolso, que o atleta Diogo Malagon cruzou a linha de chegada com o filho pequeno nos braços depois de 2h05min29seg. Deu pra emocionar!

E aí, você pode pensar que quem se dá bem no XTerra são só os experientes, rodados, que conhecem já o percurso, o estilo da prova e tal. Mas a Flávia Fernandes, no Triathlon Feminino, veio pra desbancar totalmente essa ideia. No primeiro XTerra dela, Flávia fez bonito entre as mulheres e terminou na primeira colocação com o tempo de 2h22min01seg.

 

Flavia Fernandes chega em primeiro no Triathlon Feminino
Flavia Fernandes chega em primeiro no Triathlon Feminino

Fiquei muito feliz com a vitória. Na verdade, só tinha feito Triathlon de asfalto mesmo, mas comecei agora no cross country e acho que vou continuar – comemorou Flávia.

A parte boa é que o festival multiesportivo estava só começando. Logo depois, teve o MTB Contra Relógio, novidade do XTerra! A cada 20 segundos, um competidor largava lutando contra si mesmo nos 25km da praia de Ilha Comprida.

medalhas

Foi caindo a noite e aumentando a minha ansiedade pra largada da Half Night Run. Às 19h20, 10 minutos antes da largada, a galera toda já tava reunida para explorar a Ilha correndo. Uns iam se aventurar nos 8,5km, outros na caminhada noturna, e tantos outros como eu, iam se desafiar nos 23,7km.

A Largada

Tocou a buzina da largada e aproveitei pra puxar bastante nos primeiros 2km, já que o comecinho do percurso era no asfalto. Eu tinha estudado bem a altimetria da prova, mas não sabia os tipos de terreno que iria encontrar pela frente.

Primeiros Quilômetros

Passados os 2 primeiros quilômetros de prova, entramos numa estrada de terra batida. E ali todo cuidado era pouco. Não existia nenhuma iluminação, a não ser a lanterninha que ficava na nossa cabeça. Além disso, vários buracos apareciam do nada na estradinha de terra pra lembrar que não dava para acelerar muito, principalmente pra mim que não estou muito acostumada com trail run.

Medo + Adrenalina

Lá pelo km 5, a galera que ia fazer os 8,5km da Short Night Run virou a curva e eu continuei no percurso matador de 23,7km. A partir daí, por vários momentos me vi sozinha na estrada totalmente escura, somente iluminada pela minha lanterna. Rolava um medo, mas um medo “bom” que me distraía pelo percurso e que me desafiava lembrando que nunca tinha feito nada parecido na vida.

 

eu correndo

Praia

Cheguei no km 12 me sentindo ainda muito bem, com a passada totalmente encaixada, psicológico já fazendo a regressiva (“Agora só faltam tantos quilômetros pra terminar”), quando me deparei com o próximo terreno: a areia. Era uma areia batida, um pouco dura, mas acompanhada de um vento contra daqueles. O meu pace que estava em torno de 5’40” subiu pra 6’, mas não desanimei. Fui tentando me adaptar ao novo terreno, ao vento que soprava insistentemente contra, e fui aos poucos passando vários competidores, o que me dava uma certa força psicológica.

Chegada

O final foi dolorido, parecia interminável, mas consegui dar um sprint nos últimos metros e cruzar a linha de chegada depois de 2h18min31seg de prova. Já estava feliz com o resultado, daí pirei quando descobri que tinha ficado na quinta colocação entre as mulheres. Com a sensação de dever cumprido, fiz uma massagem lá na Arena mesmo e saí pra confraternizar e comer uma bela pizza com o pessoal!

eu chegando

Domingo

No dia seguinte, teve mais XTerra! As paisagens incríveis de Ilha Comprida receberam as provas do MTB Cup Sport (32,2k), MTB Cup Pro (71,2k) e ainda as fofurinhas para o Kids Mini Corrida.

Esporte do início ao fim. Pra quem gosta, o XTerra é um prato cheio. E pra quem não gosta, é uma boa chance de se apaixonar de vez pela sensação da endorfina nas paisagens mais incríveis do nosso país. Agora, o XTerra se prepara para desembarcar na etapa mundial, em Ilhabela, nos dias 7 e 8 de maio. Para acessar o calendário completo e garantir a sua inscrição, acesse xterrabrasil.com.br

Já estou contando os dias para desbravar Ilhabela. Vem!

Me segue lá no Instagram @caseicomatleta e vamos juntos espalhar o vírus da saúde 30tododia.

foto portico
@caseicomatleta
Jornalista e corredora em quase todas as horas vagas. Sou eclética. Daquelas que ama correr, mas que também tem uma queda pelos treinos de força na academia. No meu dia cabe de tudo um pouco: Trabalho, treino, esporte, viagens e vida social. Por isso, o espaço aqui vai ser tudo junto e misturado. Afinal, o equilíbrio é a alma do negócio.
Post AnteriorPróximo Artigo
Jornalista e corredora em quase todas as horas vagas. Sou eclética. Daquelas que ama correr, mas que também tem uma queda pelos treinos de força na academia. No meu dia cabe de tudo um pouco: Trabalho, treino, esporte, viagens e vida social. Por isso, o espaço aqui vai ser tudo junto e misturado. Afinal, o equilíbrio é a alma do negócio.