Sem categoria

Tudo o que rolou na primeira edição da Spartan Race no Brasil

Spartan Race Brasil

Lama, força e coragem

spartan arame

Esqueça o glamour, o cabelinho penteado e a roupa limpinha. Vamos falar aqui da Spartan Race Brasil, uma corrida de obstáculos, que teve a sua primeira edição no Brasil. Fui acompanhar de perto, bem de perto mesmo, a prova que rolou em Itaipava, no Rio de Janeiro.

Quando cheguei, fiquei logo maravilhada com o local de prova. Uma fazenda enorme, linda, com várias trilhas e lotada de obstáculos da Spartan Race. As baterias começaram cedinho, no domingo, mas a minha foi só à tarde. Peguei meu kit, bati aquele papo com os amigos pra saber como foi a prova e fui pra área de largada.

As largadas aconteciam em pelotões de cerca de 60 pessoas. Eu, particularmente, amo largadas de corridas, mas essa foi animal. Uma energia incrível, com uma galera inspirada! Como eu disse antes, tinha conversado com amigos, que me confessaram que os primeiros 1000 metros de prova eram puxados. Muita gente costumava acelerar naquele início e acabava se dando mal, por conta da altimetria elevada. Tinham muitas subidas, trilhas estreitas, pedras e, é claro, obstáculos!

O meu forte é a corrida, mas eu ficava feliz quando via um obstáculo! Porque as ladeiras eram tão desumanas, que nos obstáculos eu conseguia dar aquela respirada. Tive que escalar paredes, me equilibrar em troncos, carregar pedaços de madeira e tive que pagar burpee no obstáculo das argolas. Nessa hora, o sujeito era obrigado a ir se pendurando, de argola em argola, mas eu, quando vi o nível de dificuldade, mal tentei. Paguei meus 30 burpees e segui.

spartan madeira
Eu (@caseicomatleta)

Os obstáculos exigiam força, equilíbrio, coragem e até pontaria. Em apenas uma tentativa, tive que acertar uma lança numa placa de feno a 50 metros de mim. Passei perto, mas tive que acabar pagando os temidos burpees.

No km 3 da prova, faltando mais 2,5km, você já se perguntava: “o que eu estou fazendo aqui?”. Mas além do cansaço, também tinha muita diversão. Passei por debaixo do arame farpado, mergulhei, literalmente, por uma piscina de lama e paguei mais burpee. Na hora de escalar a corda e tocar o sino lá no alto, não tinha mais forças e acabei tendo que pagar as penalidades.

spartan foegueira

Depois de 54 minutos, já no fim, pulei a fogueira e completei a minha primeira Spartan Race! Cheguei cansada, morta, mas totalmente endorfinada. Completei a prova na décima quarta colocação do feminino geral e, diante do ótimo resultado, fiquei com ainda mais vontade de fazer a próxima prova. Você também fez a Spartan Race? Ficou com vontade de fazer? Conte mais aqui pra gente nos comentários!

E você aí, tem coragem???

Deixe aqui nos comentários a sua experiência e me segue lá no Instagram @caseicomatleta até a próxima!

 

Ana Luiza
Jornalista e corredora em quase todas as horas vagas. Sou eclética. Daquelas que ama correr, mas que também tem uma queda pelos treinos de força na academia. No meu dia cabe de tudo um pouco: Trabalho, treino, esporte, viagens e vida social. Por isso, o espaço aqui vai ser tudo junto e misturado. Afinal, o equilíbrio é a alma do negócio.
Post AnteriorPróximo Artigo
Ana Luiza
Jornalista e corredora em quase todas as horas vagas. Sou eclética. Daquelas que ama correr, mas que também tem uma queda pelos treinos de força na academia. No meu dia cabe de tudo um pouco: Trabalho, treino, esporte, viagens e vida social. Por isso, o espaço aqui vai ser tudo junto e misturado. Afinal, o equilíbrio é a alma do negócio.