#30 Reality, Dicas

Rio Triathlon

Rio Triathlon

O Rio Triathlon vem se firmando no cenário esportivo e tem se tornado uma prova cada vez mais conhecida entre os atletas por reunir o belíssimo cenário da praia do Recreio dos Bandeirantes e uma organização que evolui a cada etapa.

A Prova

No último domingo a prova foi disputada nas distâncias:

  • Sprint (750m de natação + 20km de ciclismo + 5km de corrida) e
  • Endurance (1.500m de natação + 50km de ciclismo + 15km de corrida), sendo a mais longa uma novidade já que ainda não havia sido realizada uma prova nesse perfil nas etapas anteriores.

A tensão pré prova veio à tona nos dias que antecederam o dia “D” já que as condições do mar não eram muito favoráveis. A quantidade de surfistas na água era proporcional ao frio na barriga quando se olhava pro mar pensando que em pouco mais de 24 horas aproximadamente 500 triatletas encarariam ondas de mais de 1 metro.

Domingo pela manhã o mar continuava agitado e por questões de segurança os responsáveis pela organização decidiram transferir a natação para o lado direito da pedra do Pontal, onde as odulações eram um pouco menores, além de terem reduzido a distância de 1.500m para 1.200m.

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

Largada

Por volta das 7:10 da manhã os atletas já estavam à postos aguardando a largada, me posicionei na segunda fileira e assim que soou o sinal de partida saímos todos correndo em direção ao mar. Os bancos de areia e o mar mexido tornaram a primeira parte muito dura, além da distância previamente reduzida, portanto os atletas que normalmente se favoreceriam na natação não tiveram muita vantagem. Minha estratégia era nadar forte para conseguir me juntar à um grupo forte no pedal!

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

Transição

Saí da água na 22ª colocação correndo em direção à transição já abrindo o zíper da roupa de borracha e assim que avistei os staff’s pedi ajuda para tirar a roupa, economizando um tempinho precioso. Fiz todo o procedimento como de costume na transição, colocando os sachês de gel, espátula e bomba de CO2 nos bolsos do macaquinho, vesti o capacete e peguei a bike o mais rápido que consegui.

Subi na bike e logo no começo do pedal já consegui entrar na roda de um pelotão forte e assim seguimos os 5 primeiros km, com uma média de 40km/h. Mas como nem tudo são flores, no primeiro retorno da prova, próximo ao km 6 o taco da minha sapatilha quebrou – O taco é o que prende a sapatilha ao pedal – e assim não tive mais firmeza no pé direto para fazer o movimento correto da pedalada e também não tinha como sair do selim nas retomadas, o que me fez perder o pelotão.

Superação

Segui na prova sozinho por algum tempo tentando ficar o mais aerodinâmico possível para economizar energia até que o terceiro pelotão chegasse mas inúmeras vezes meu pé escapulia do pedal e eu perdia o controle da bike, quase indo pro chão.

Nessa hora me vieram 3 alternativas na cabeça:

  1. Abandonar a prova por questões de segurança, já que perdi o controle da bike inúmeras vezes e quase caí.
  2. Pedalar devagar até próximo a área de transição onde estavam a maior parte das Assessorias para pedir uma sapatilha emprestada.
  3. Seguir focado na prova e administrar essas adversidades da melhor forma.

Fui com a opção 3, pedalando com cautela mas sem tirar o pé do acelerador, tive que me concentrar mais e achar uma posição de pedalada mais segura para que meu pé ficasse um pouco mais preso ao pedal. Ainda antes de completar a primeira volta o terceiro pelotão me alcançou e não pensei duas vezes, peguei o vácuo e segui na roda!

Consegui me manter com eles até o final dos 50km e mesmo com o pedal comprometido entreguei a bike com 1h23’, aproximadamente 5 minutos atrás do pelotão que eu estava antes do incidente.

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

Segunda transição

Mais uma vez me preocupei em fazer uma transição rápida. Posicionei a bike de volta no cavalete, tirei o capacete, tirei o kit de calibragem do bolso, calcei os tênis, coloquei a viseira e os óculos e saí correndo com o race belt na mão para ajustá-lo enquanto corria.

Agora sim, a hora que eu mais gosto…

Iniciei uma corrida forte com ritmo de 3’40”/km e logo na primeira parte já fui deixando alguns atletas pra trás, e aos poucos recuperando as posições que havia perdido no pedal. Segui forte, me sentindo muito bem até que no km 4 comecei a sentir fortes dores no músculo vasto medial das duas pernas – Já não é a primeira prova longa que sinto essa dor – e me vi obrigado a parar e alongar. Foram 15 segundos bem empregados, não perdi nenhuma posição e consegui voltar pra prova no mesmo ritmo, apesar das dores que permaneceram. Nesse momento dei uma atenção maior à hidratação e à ingestão de carboidrato, reduzindo o espaço entre cada sachê de gel.

Cansaço

O sol e o calor já estavam intensos nesse momento da prova, o cansaço já tomava conta e ainda faltavam 4km. Eu já estava correndo no “modo automático”, não conseguia mais raciocinar direito, quase tirando o pé do acelerador quando passa por mim um brother que estava iniciando a sua corrida, cheio de gás.

Ele vinha num ritmo mais forte que o meu e falou:

“vem comigo, você tá cansado mas falta pouco. Não para!”.

Final

Ouvir aquilo foi como uma injeção de ânimo, eu não conseguia responder e só balançava a cabeça para dar algum sinal de que aquilo que ele estava fazendo era o que me mantinha forte na prova. Nosso ritmo variava entre 3’50” e 4’10” até que avistamos a linha de chegada. Eu não tive forças nem para falar “Obrigado”, só apertei a mão dele e segui em direção ao pórtico de chegada, cruzando a linha com um total de 2h46’28”.

Rio Triathlon Parciais

  • Natação – 18’11”
  • Transição 1 – 3’01”
  • Bike – 1h23’07” vel. média 37.7km/h
  • Transição 2 – 0’59”
  • Corrida – 59’56” pace 4’00”/km

Texto:

Atleta Guilherme Guido V Palma, parceiro do @30tododia 

Fotos: Tri Sport 

Siga no Instagram @guilhermeguidovpalma e acompanhe a evolução dessa maquina.

Compartilhe nas suas redes sociais e espalhe o vírus da saúde #30tododia 

Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional
Consultas: 21 2529-6473
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Consultas: 21 2529-6473 Email: marcellopaiva@30tododia.com.br