#30 Reality

Rio Triathlon

Rio Triathlon

Dias após o anúncio de que o Rio de Janeiro seria, pela primeira vez, palco de uma das maiores provas de triathlon do mundo sediando o Ironman 70.3, o Recreio dos Bandeirantes dava início à terceira etapa do Estadual de Triathlon, dessa vez contando com a presença de muitos atletas de renome no cenário brasileiro.

A Prova

No último domingo a prova foi disputada nas distâncias:

  • Sprint (750m de natação + 20km de ciclismo + 5km de corrida) e
  • Standard (1.500m de natação + 40km de ciclismo + 10km de corrida)

Exatamente uma semana antes do Rio Triathlon a planilha ainda contemplava treinos duríssimos, justificados pela prova alvo no final de Agosto desse ano. No domingo anterior ao Rio Tri eu havia feito um treino duro, muito intenso e, talvez, em decorrência disso minha imunidade tenha baixado um pouco.

Acordei na segunda-feira de manhã sentindo uma forte indisposição, com treinos em dois turnos esse dia, acabei não conseguindo cumprir a planilha pela manhã, fiquei em repouso para avaliar minha recuperação até o segundo treino do dia mas decidi abortá-lo também. No dia seguinte acordei um pouco melhor e cumpri parte da planilha com um treino na piscina mas na quarta-feira, ainda me sentindo fraco, meu treino intervalado de corrida foi interrompido na metade. Me senti mal durante a atividade, não estava rendendo o esperado e então, junto com o coach Joaquim Ferrari, a melhor decisão foi tomada e o treino da semana terminava ali!

Quinta e sexta-feira foram atividades leves só para me manter em atividade, sem cobranças de ritmo e intensidade, fazendo apenas com que o corpo não aproveitasse um repouso absoluto!

O domingo começou cedo como qualquer dia normal para um triatleta, o check in das bikes acontecera antes mesmo de o sol nascer. Todos os atletas fazendo os últimos ajustes nos seus equipamentos e se preparando para a largada.

 

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

A Largada

Às 7:15 os atletas já se posicionavam no pórtico de largada, cada um buscando o melhor lugar de acordo com a sua estratégia de prova.

Prourei me posicionar próximo aos atletas que nadam forte porque para as provas com vácuo no ciclismo é muito importante sair da água no grupo da frente! Essa era a minha estratégia, nadar forte e tentar colar no pelotão da frente no ciclismo.

Atletas à postos e soa a buzina, todos vão em direção ao mar, os bancos de areia nos obrigaram a correr alguns metros mar à dentro. A temperatura da água estava agradável, o mar não estava tão mexido em comparação à última etapa, uma pequena correnteza ameaçava dificultar a primeira parte da prova mas nada que atrapalhasse o desempenho dos bons nadadores.

O percurso da natação é composto por 2 voltas de 750m, porém, em decorrência dessa pequena correnteza, é provável que as bóias tenham se deslocado um pouco, por isso nós tivemos que nadar 200m a mais, totalizando 1.700m.

 

@alfeijao @guilermeguidovpalma
@alfeijao @guilermeguidovpalma

Transição 1 e Ciclismo

Consegui encaixar uma natação boa, saí da água entre os 25 primeiros, fiz uma transição razoavelmente rápida, a única falha nesse momento foi quando tentei colocar as espátulas e a bomba de CO2 (kit de ferramentas caso o pneu fure) no bolso do macaquinho e as duas caíram. Sem desespero me agachei, peguei tudo do chão, guardei no bolso e parti pro pedal.

Esses poucos segundos que perdi fizeram com que os outros atletas saíssem da T1 (transição natação x pedal) um pouco antes, o que em uma prova com vácuo no ciclismo pode ser fatal! Subi na bike sozinho, com um pelotão de 4 atletas no meu campo de visão. Eu sabia que teria que fazer de tudo pra chegar na roda deles, não podia perdê-los de vista, caso contrário iria pedalar sozinho até que algum pelotão viesse de trás me engolindo! Girei forte, coração acelerando, pernas queimando mas segui firme até chegar nos caras.

O pelotão estava um pouco desorganizado, não estávamos revezando na frente de forma eficiente. Como sempre alguns atletas fazendo “corpo mole” na hora de bota a cara no vento, querendo se aproveitar do vácuo para economizar energia. Acredito que se a troca fosse feita da melhor forma nós conseguiríamos alcançar o grupo que brigava pelo top10. Ainda assim consegui fechar as 4 voltas de 10km do ciclismo com média de 40km/h e entreguei a bike por volta da 22ª colocação.

 

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

Transição 2 e Corrida

Entrei na área de transição decidido a me entregar nos últimos 10km de prova. Coloquei a bike de volta no cavalete, tirei o capacete, calcei os tênis, peguei a viseira e o cinto porta-número e já parti pra corrida!

Nos primeiros metros resolvi segurar um pouco o ritmo pra deixar o corpo acostumar correndo em um ritmo 10 segundos acima do que eu pretendia correr. Monitorei o pace só no início e depois larguei de mão…fui avaliando a sensação de esforço sem nem olhar o Garmin!

Na primeira volta de 5km eu comecei a contar quantos atletas vinham na direção contrária, já mirando quais deles eu teria que passar pra ficar mais próximo do top10. Eram 22 atletas na minha frente e eu estava confiante, até aquele momento tudo vinha dando certo! O trabalho em conjunto com a equipe Joaquim Ferrari Treinamento Outdoor, a nutricionista Julia Engel e as técnicas que venho desenvolvendo no Método DeRose Leblon me ajudaram muito a estar mais centrado, com a expressão facial mais relaxada, mantendo a respiração num bom ritmo.

Aos poucos comecei a ganhar posições e minha maior preocupação era não deixar o cansaço transparecer, vinha mantendo a expressão facial bem descontraída, relaxada…só focando no objetivo da prova!

Final

Ao final da primeira volta da corrida, passando próximo dos espectadores, um brother me gritou apontando para o atleta que estava logo à minha frente: “Cola nele, chega junto…”. Só consigo me lembrar de ter batido no peito e respondido: “Eu vou passar!”.

Não deu outra, apertei o passo, ganhei mais algumas posições e segui firme até cruzar a linha de chegada com 2h10’02” na 16ª colocação geral e na 3ª colocação categoria Open (sub30).

 

@guilhermeguidovpalma
@guilhermeguidovpalma

 

Rio Triathlon Parciais:

  • Natação (1.500m) GPS marcou 1.700m – 25’14”
  • Transição 1 – 3’23”
  • Bike (40km) GPS marcou 41,5km – 1h02’19” vel. média 40,0km/h
  • Transição 2 – 1’33”
  • Corrida (10km) GPS marcou 9,6km – 37’35” pace 3’55”/km

Texto:

Atleta Guilherme Palma siga no Instagram @guilhermeguidovpalma 

Fotos:

Tri Sport, Mundo Tri e Albert Pinho.

Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia
Professor de Educação Física – UFRJ
Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística.
Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional
Consultas: 21 2529-6473
Email: marcellopaiva@30tododia.com.br
Post AnteriorPróximo Artigo
Marcello Paiva
Idealizador do portal @30tododia Professor de Educação Física - UFRJ Pós graduação em Fisiologia do Exercício e Programação Neurolinguística. Coaching deTreinamento / Palestrante Motivacional Consultas: 21 2529-6473 Email: marcellopaiva@30tododia.com.br